Fale Conosco

Conteúdo atualizado em 19.03.2020


FOB/USP debate obesidade e saúde bucal

Marianne Ramalho, Assessoria de Comunicação da PUSP-B
23/10/2014

FOB/USP debate obesidade e saúde bucal

No dia 30 de outubro, às 19h, na Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da Universidade de São Paulo (USP) será realizado o Debate “Interface entre obesidade e saúde bucal”.

O evento é promovido pela Disciplina de Pós-graduação “Prática Clínica aplicada à pacientes portadores de transtornos alimentares e obesidade”, com apoio da Associação Paulista dos Cirurgiões-Dentistas (APCD) Regional Bauru.

O debate tem a coordenação de Silvia Helena de Carvalho Sales Peres, professora da Disciplina de Saúde Coletiva da FOB/USP e tem como público alvo cirurgiões-dentistas, pós-graduandos e profissionais da saúde.

O debate/curso é gratuito e será concedido certificado de participação. A inscrição deve ser feita no e-mail: obesidadesb2014@gmail.com

                                    Obesidade e saúde bucal

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade é uma doença epidêmica, que apresenta alto índice na população infantil e suas implicações na saúde integral das pessoas por ela acometidas. A obesidade no Brasil ocupa a 77ª posição da obesidade mundial, sendo que a obesidade cresceu mais de quatro vezes entre os homens nos últimos 35 anos, de 2,8% migrou para 12,4% e mais de duas vezes entre as mulheres, de 8% para 16,9% conforme citação de (VIGITEL, 2009; POF, 2008-2009).

Essa patologia está associada a algumas das mais prevalentes doenças crônicas e não infecciosas na sociedade moderna, tais como: diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial, dislipidemia, arteriosclerose, artrite, síndrome de apneia do sono, refluxo gastresofágico, infertilidade e incontinência urinária, disfunções endócrinas, disfunção da vesícula biliar, problemas pulmonares, alguns tipos de câncer, falta de habilidade para atividades diária, problemas psicossociais e econômicos.

A obesidade também predispõe o indivíduo a problemas bucais, como a doença periodontal (doença que afeta o tecido gengival), erosão dentária relacionada ao refluxo gastresofágico, cárie dentária e xerostomia (falta de saliva que causa mau hálito).

Os indivíduos que buscam tratamento cirúrgico para a obesidade mórbida apresentam tendência a perdas dentárias, culminando com a reabilitação oral para o restabelecimento das funções estéticas, fonéticas e funcionais.

Dessa forma, o cirurgião-dentista deve se atualizar quanto aos problemas bucais que acometem os pacientes obesos e bariátricos, uma vez que sua clientela poderá apresentar problemas específicos e/ou mais graves nas condições bucais.

imprimir





 Envie sua sugestão de notícia