Fale Conosco

Conteúdo atualizado em 19.03.2020


USP estuda implantação da Faculdade de Medicina

Marianne Ramalho, Assessoria de Comunicação da PUSP-B
23/03/2012

USP estuda implantação da Faculdade de Medicina

O campus de Bauru da Universidade de São Paulo (USP)  recebeu nos dias 22 e 23 de março a visita de Marcos Boulos, superintendente de Saúde da USP e professor titular de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP.


No campus, Boulos foi recebido por José Carlos Pereira, diretor da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB); José Alberto de Souza Freitas, superintendente do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) e Ruy Cesar Camargo Abdo, prefeito do campus de Bauru; além da presença do deputado Pedro Tobias.


Com relação a implantação da Faculdade de Medicina da USP em Bauru, Boulos afirmou que não veio para discutir esta questão, até porque não é um projeto que se decide sozinho, mas compete ao Conselho Universitário.


“A Faculdade de Medicina é uma expectativa de Bauru, que eventualmente pode ter um retorno favorável da Universidade num tempo médio. Mas para isso nós precisamos fazer com que o sistema hospitalar funcione de uma maneira muito boa, e é isso que nós começamos a fazer agora”, esclareceu o superintendente de Saúde da USP.


Segundo Boulos, as melhorias no sistema hospitalar devem iniciar com bons programas de residência médica em áreas variadas, pós-graduação para formar docentes, curso na área de biomédicas, entre outras. 


Boulos afirma que “é necessário melhorar o corpo técnico para se montar uma boa Faculdade de Medicina. Tanto é que em contato com os Conselhos de Medicina que são contra a criação de novos cursos nessa área, foram categóricos em afirmar que se o curso for da USP eles são a favor por acreditarem na alta qualificação dos formandos”.


Para o diretor da FOB/USP, José Carlos Pereira, a Faculdade de Medicina é um sonho de Bauru, consistindo numa repetição da história da criação da FOB, ou seja, com as mesmas expectativas da população, das lideranças profissionais da cidade que levaram naquela ocasião o estabelecimento da Faculdade.


“Agora estamos falando em prazos, coisa que nunca ocorreu antes. Isto significa que embora a Universidade não veja nesse momento condições para implantar a faculdade, já começa a pensar nisso como uma possibilidade em médio prazo. A FOB é absolutamente parceira nesse processo de gestão para que tenhamos a faculdade. Independente da política universitária, a existência de uma faculdade de medicina no nosso entorno enriqueceria todo o conjunto dos outros cursos que aqui são ministrados”, afirmou Pereira.


Foto: Da esquerda para a direita, José Carlos Pereira, João Henrique Nogueira Pinto (HRAC), Walter José Fernandes (Superintendência de Saúde da USP), Marcos Boulos e Ruy Cesar Camargo Abdo


Crédito: Arquivo do SerCom/Centrinho/USP

imprimir





 Envie sua sugestão de notícia